Reeducação alimentar on-line

Apoiado pela Fapesp, site oferece 29 games dirigidos à saúde pública, cidadania, preservação do meio ambiente e alfabetização

Aproveitar o potencial de atração dos jogos eletrônicos na sociedade para transmitir, de modo lúdico e interativo, conceitos de educação, saúde, meio ambiente e cidadania. Esta é a proposta do Ludo Educa Jogos, site de games gratuitos da Aptor Software, empresa criada em 2005 por ex-alunos da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Lançado no início de janeiro, o jogo Coma bem – Uma aventura nutritiva é o mais novo título on-line. Com visual em duas dimensões e movimentos executados pelas setas do teclado, o game tem como objetivo a reeducação alimentar. Antes das partidas, é preciso escolher se o protagonista obeso será do sexo masculino ou feminino. Daí em diante, para avançar nas fases, emagrecer e ganhar pontos, é preciso recolher gêneros saudáveis e evitar os mais calóricos e gordurosos.

Desenvolvido com a tecnologia HTML 5Coma bem roda diretamente no navegador de internet e dispensa a instalação de programas adicionais para funcionar. A proposta é estimular o jogador a balancear suas refeições e sempre fazer compensações. Assim, é possível escolher uma opção mais saborosa e calórica em cada etapa do jogo, fazendo, porém, compensações com alimentos ricos em fibras e pouco calóricos na mesma fase da partida.

A equipe da Aptor Software é composta por Bruno Silva Rangel, Júlio César Carrega, Rener da Silva Baffa e Rodrigo Bareato. O jogo é o primeiro projeto da empresa na área de educação alimentar e deverá crescer com novos games destinados a ampliar a qualidade de vida. A meta é ajudar o público a se conscientizar da importância da adoção de dietas mais regradas e saudáveis.

Concepção e projeto

O professor Élson Longo, diretor do CMDMC e docente do Instituto de Química da Unesp de Araraquara, explica que o enredo e temática dos jogos educacionais são sugeridos e supervisionados pelos pesquisadores do CMDMC. Abordam sempre questões ligadas à cidadania e problemas comuns a muitos municípios brasileiros.

Segundo ele, os games cumprem com uma parte do dever de todo Cepid da Fapesp, que é a de desenvolver atividades de extensão universitária. São ferramental de apoio em atividades educacionais e contribuem com a iniciação científica de alunos e professores de segundo grau.

“Outro viés é auxiliar na preparação pré-vestibular, orientar a população sobre como adotar dieta saudável, fazer exercícios físicos e divulgar mensagens de orientação ambiental. Outra preocupação é apoiar eventos ligados à sustentabilidade e ações de responsabilidade social”, analisa.

Atacando a dengue

O site Ludo Educa Jogos oferece 29 jogos on-line, divididos em oito áreas. Há opções de títulos para todas as idades, a partir de quatro anos. As partidas são rápidas e casuais, disputadas em tempo real com teclado e mouse e não exigem inscrição ou cadastro prévio.

O combate à dengue é tema de sete títulos. Nos jogos Palavras Cruzadas e Monta Palavras, a missão é digitar termos ligados à prevenção da doença. Em Proteja a Casa, o cursor do mouse ajuda a pulverizar ambientes e a evitar a proliferação do Aedes aegypti.

Em Contra Dengue, passatempo no estilo Super Mario, é preciso dar raquetadas nos mosquitos. E no Jogo dos 7 Erros, ao comparar duas imagens, o jogador visualiza situações explícitas de prevenção, como não acumular água parada em vasos de flores e em quaisquer recipientes.

Salvando o planeta

Preservação e educação ambiental são as metas de Pesque e Salve, jogo criado para celebrar a Conferência Rio +20, realizada em 2012. O desafio é despoluir um rio e incentivar a pesca esportiva, com a soltura de peixes após serem fisgados. Já o Basquete Reciclável favorece o descarte ambiental correto de materiais como vidro, plástico, papel e metal.

Chemical Sudoku é uma releitura do puzzle japonês de lógica, com elementos químicos da tabela periódica substituindo os números. Já Sustentabilidade é um jogo de memória tradicional, que usa elementos como a reciclagem de lixo. Half na Floresta é direcionado à preservação de espécies ameaçadas de extinção. Trata-se de uma versão de Pitfall!, título clássico dos videogames e precursor do estilo plataforma.

A educação é tema da série Ludo Educativo, subdividida em quatro níveis. A primeira opção, chamada de Ludo Ação, é voltada para o primeiro ciclo do ensino fundamental. Na sequência, vem Ludo Radical, destinada ao segundo ciclo do ensino fundamental.

Depois, há o Ludo Vestibular, com a proposta de ajudar estudante do ensino médio a se preparar para os exames de ingresso na universidade. Por fim, há o Ludo Quântico, criado em 2011 para celebrar o Ano Internacional da Química, que aborda a química quântica de modo descontraído e divertido.


Por dentro de uma spin-off

A Aptor Software é uma spin-off, termo que designa empresa originada na universidade ou centro de pesquisa público ou privado e provedora de serviços e produtos tecnológicos. Desde o ano 2000, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp) investe nesse modelo gerador de novos conhecimentos e negócios, de perfil tecnológico.

Sediada em São Carlos, a Aptor Software nasceu como parceira do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), um dos 11 Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da Fapesp.

É uma das seis spin-off originadas no CMDMC e hoje, além da equipe fixa, emprega mais 30 colaboradores eventuais. Também mantém vínculo com o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).

Serviço

Mais informações sobre o Coma bem
Ludo Educa Jogos

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 12/01/2013. (PDF)

Instalação inusitada na CPTM

Projeto Verão do Sesc oferece atividades lúdicas e gratuitas em três estações até 24 de fevereiro; objetivo é promover qualidade de vida aos usuários

Até o dia 24 de fevereiro, o Sesc-SP e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) promovem atividades esportivas, de lazer e culturais gratuitas nas estações Osasco (linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda), Palmeiras- Barra Funda e Brás (linhas 10-Turquesa, 11-Coral e 12-Safira).

O Projeto Sesc Verão tem por proposta incentivar, de modo lúdico, a prática de exercícios físicos e ampliar a qualidade de vida dos usuários do transporte metropolitano. Não há limite de idade para participar e também não é preciso levar equipamentos ou vestir roupas ou calçados especiais.

Nas três estações da CPTM, todas as atividades são supervisionadas por monitores do Sesc. A parceria entre as instituições promove oficinas de basquete, ginástica multifuncional, minigolfe, tênis e dança de salão, entre outras atividades. A relação completa de eventos está disponível on-line no site do Sesc.

Escada piano

Em Osasco, o usuário é estimulado a fugir do conforto da escada rolante e a transitar pelos degraus da fixa, tradicionalmente muito menos utilizada. Na instalação especial, quem sobe rumo às catracas ou desce no sentido do centro da cidade pisa em um “teclado piano”, com sensores colocados em 18 dos 42 degraus que “tocam” com a passagem das pessoas sobre placas especiais colocadas no chão.

Como em um piano verdadeiro, os sons seguem a escala musical e vão dos agudos a graves, incluindo notas e sustenidos. A interatividade do público com o mecanismo acaba por criar, de forma inusitada, sequências sonoras cômicas e espontâneas. Em cada degrau, um eletrodo colocado sobre duas placas de plástico sobrepostas capta os passos dos transeuntes. Quando duas ou mais “teclas” são acionadas simultaneamente, sons diferentes são produzidos, até mesmo quando acionadas no mesmo degrau.

A instalação e seu software de controle foram criados sob medida pela empresa paulistana Zoomb. O projeto tem inspiração sueca e segue modelo de estação do metrô de Estocolmo. O apelo ao entretenimento e à prática esportiva de modo lúdico são sucessos na internet, em vídeos postados no YouTube. Muitas destas intervenções urbanas são divulgadas pelo site estrangeiro The Fun Theory.

“Mais importante que a instalação é o conceito do Projeto Verão, de mostrar que o exercício físico está disponível em qualquer lugar e horário na rotina das pessoas. É só usar a imaginação”, destacou Marcelo Paulino, monitor do Sesc-Osasco responsável no local.

Carro em casa

Na quarta-feira (8), a publicitária Leia Camponucci deixou o carro na garagem e foi trabalhar de trem. Moradora de Osasco, optou pelo transporte público metropolitano após um telefonema na véspera, do irmão violinista, para Giulia, sua filha, comentando sobre a instalação inusitada na estação da CPTM. Tirando fotos do local, conta que sua herdeira não sossegou até conhecer a “espetacular” escadaria piano.

Avaliação parecida teve a dupla osasquense André Trevisan e Wendel Vieira. Os estudantes de 20 anos aprovaram a ideia de queimar calorias brincando. Fãs de rap, conheceram a instalação na estreia, dia 7, e repetiram, dançando, o caminho musical no dia seguinte. Segundo eles, é possível criar músicas e samples no local, com saltos e sapateados nos degraus.


Ginástica multifuncional

Na estação Palmeiras-Barra Funda há um programa completo de exercícios de ginástica multifuncional, com tatames e equipamentos. Tudo é usado de acordo com o interesse de cada passageiro. São oferecidas atividades de lazer, coordenação motora, equilíbrio e condicionamento físico, entre outras.

Na instalação, além das práticas esportivas, são também disputados jogos de pingue- pongue, futebol de botão e minigolfe. Uma vez por semana, são realizados testes de saúde, com medição de Índice de Massa Corporal (IMC), avaliação postural e teste da pisada, entre outros.

Lúcia de Oliveira, auxiliar de serviços gerais, e o estudante Igor Oliveira, seu filho, retornavam de consultas em consultório de dentista, na estação Deodoro do Metrô, quando viram a instalação do Sesc. Surpreendido, o menino saiu correndo e fez o circuito físico completo, começando na bicicleta ergométrica, passando por exercícios com bolas e tiras para flexão de braços e pernas, sob a supervisão da monitora Érika Coelho. Moradores de Carapicuíba aprovaram a iniciativa. Para eles, o projeto deveria virar “atração permanente” na estação.

Os maquinistas da CPTM Rodrigo Azevedo e Sergio de Jesus aproveitaram a folga no serviço para disputar partida de futebol de botão. O jogo terminou com goleada do primeiro sobre o colega, que marcou revanche para a próxima semana. Com o mesmo espírito casual, a aposentada e terapeuta de Reiki, Maria José Braga Costela, de 67 anos disse que ama praticar exercícios porque se sente mais disposta.

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 11/01/2013. (PDF)

Financiamentos para crescer

Desenvolve SP ampliou em 72% o volume de créditos e já repassou R$ 896 milhões para empresas e prefeituras de 194 municípios paulistas

A Desenvolve SP, Agência de Desenvolvimento Paulista, encerrou 2012 com crescimento de 72% no volume de dinheiro emprestado em comparação com 2011. Em um ano, o total financiado pelo Governo estadual para prefeituras e empresas subiu de R$ 237,3 milhões para R$ 409,4 milhões. Só o grupo de pequenos e médios prestadores de serviços do Estado recebeu mais de R$ 86 milhões no período.

Desde a criação do serviço em 2009, foram repassados R$ 896 milhões por meio de 2.280 operações financeiras realizadas em 194 municípios do Estado. Na avaliação de Gilberto Fioravante, superintendente de negócios, o aumento no volume de transações em 2012 é o resultado de uma série de inovações adotadas pela Agência ao longo do ano.

Em julho, a instituição adotou o nome atual. A nova marca ajudou a construir nova identidade e reforçou a vocação e o compromisso da Agência com o crescimento econômico do Estado. “Um dos objetivos é o de ser parceiro natural do empreendedor paulista. A proposta principal é gerar empregos e renda, a partir de negócios viáveis e sustentáveis”, diz Fioravante.

Projetos da Copa

Em fevereiro de 2011, foi anunciada a liberação de crédito exclusivo para projetos relacionados à Copa do Mundo de 2014. A Linha Investimento Esportivo atende às cidades paulistas candidatas a Centro de Treinamento de Seleções (CTS). Oferece juros de 2% ao ano e pagamento em até dez anos, com carência de até 24 meses. O objetivo é apoiar empresas e municípios para melhorar a infraestrutura turística das cidades para receber visitantes e delegações.

Para a iniciativa privada, a Linha banca a construção de hotéis e projetos de ampliação e modernização de centros esportivos privados. Já a prefeitura, pode financiar obras em arenas esportivas para receber as delegações, desde o projeto de topografia até a pavimentação de vias do entorno do empreendimento. Desde a criação da Linha, a Desenvolve SP recebeu 14 pedidos, totalizando R$ 53 milhões. Em novembro foi anunciada a primeira aprovação – obra em hotel de Piracicaba avaliada em R$ 1,3 milhão.

Aval para as pequenas

O Governo paulista também ampliou seu Fundo de Aval, conhecido como FDA. Antes restrito a operações de crédito emergencial, o FDA agora está disponível em todas as linhas de crédito, exceto para capital de giro. Em fevereiro último, a adesão ao Fundo de Aval da Micro e Pequena Empresa (Fampe), do Sebrae, possibilitou à Desenvolve SP oferecer o fundo como complemento às garantias tradicionais exigidas na operação de crédito: imóveis, recebíveis, etc

Criado pelo Sebrae em 1995, o Fampe atendeu 185 mil empresas no País e está disponível para negócios com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões anuais, mediante pagamento de taxa, que pode ser incluída no empréstimo.

Inovação e sustentabilidade

Lançado em agosto, o programa São Paulo Inova tem linhas de crédito para empresas de base tecnológica e inovadoras. Com juros que podem chegar a zero, financia desde startups a empresas com faturamento de até R$ 300 milhões anuais.

Também foi constituído um fundo de investimento para o setor tecnológico, que conta com investidores como o Finep, Fapesp e Sebrae. A expectativa é reunir até R$ 100 milhões em recursos. E atender, preferencialmente, negócios nas áreas de biotecnologia, novos materiais, fotônica, nanotecnologia, tecnologia de informação e comunicação e agronegócio.

Por meio de acordo operacional, fabricantes de máquinas e revendedores de equipamentos foram autorizados a indicar a Desenvolve SP para financiar seus produtos. Empresário interessado em adquiri-los pode procurar diretamente os já credenciados na Desenvolve SP. Sem custo adicional para comprador e vendedor, a iniciativa tem como objetivo aumentar a capilaridade da instituição e agilizar o financiamento.

Em 2012, aumentou a procura para financiar projetos sustentáveis. Dos R$ 26,7 milhões desembolsados por meio da Linha Economia Verde (LEV) desde a sua criação, em março de 2010, quase 90% foram solicitados nos últimos 12 meses. A LEV é a única no Brasil destinada exclusivamente para empresa que vai investir na redução da emissão dos gases de efeito estufa. Cobra a menor taxa de juros da Desenvolve SP, de 0,41% ao mês, mais atualização pelo IPC-Fipe, e prazos que podem chegar até dez anos, com 24 meses de carência.


Superando expectativas

A Damapel, empresa sediada em Guarulhos, financiou R$ 3,8 milhões em 60 prestações por meio da Linha de crédito Investimento Paulista (FIP Simplificado). No total, pagará 52 parcelas já descontando a carência. O recurso foi usado na compra de uma máquina nova de papel.

Com 500 funcionários e localizada próxima do Aeroporto de Cumbica, a Damapel tem como principais produtos papel higiênico e papel toalha e também fabrica guardanapos e fraldas. Em fase de expansão, a empresa tem previsto investimento de R$ 32 milhões na sua ampliação.

Sérgio Oliveira de Matos, diretor, conta que conheceu as linhas de crédito do Governo paulista em uma palestra ministrada por Gilberto Fioravante, no posto de Guarulhos do Centro das Indústrias do Estado (Ciesp). No site da Desenvolve SP, simulou o valor das parcelas do empréstimo até encontrar a melhor opção de empréstimo. Finalmente, entrou em contato com a Agência e recebeu a visita do agente da Desenvolve SP, que veio conhecer as instalações do negócio.

“Em 90 dias, o dinheiro estava disponível. Descobri, na prática, que o empréstimo estadual tem menos exigências que as impostas pelos bancos tradicionais de varejo para aprovar o crédito”, conta. “Gostei do serviço, pretendo fazer novos financiamento depois de quitar o atual. E passei a recomendar o serviço para outros empresários”, concluiu.


Financiamentos desde 2009

Ano R$ (em mi)
2009 28,6
2010 220,7
2011 237,3
2012 409,4
Total emprestado R$ 896 milhões

Quem mais emprestou

Setor % R$ (em mi)
Indústria 62 551,3
Serviços 17 152,1
Público 13 76,3
Comércio 8 116,3
Total 100 R$ 896 milhões

Comparativos 2011 x 2012

Setor 2011 2012
Indústria 59% 53%
Serviços 19% 21%
Público 11% 5%
Comércio 10% 21%

Porte do negócio

2011 2012
Pequeno 8% 18%
Médio 84% 71%
Grande 8% 11%

Finalidade do empréstimo

2011 2012
Investimento 48% 80%
Capital de giro 52% 20%

Destino do dinheiro

2011 2012
RMSP 41% 30%
Interior 59% 70%

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página III do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 05/01/2013. (PDF)