Unesp inova em cirurgia de crânio

Peça de acrílico desenvolvida em impressora 3D foi utilizada com sucesso em procedimento cirúrgico; pesquisadores solucionam caso complexo de menino de 6 anos com fratura na cabeça

Pesquisa inédita da Universidade Estadual Paulista (Unesp) possibilitou a realização com sucesso, na segunda- feira, 1º, de cirurgia de implante de crânio (cranioplastia) em um menino de 6 anos de idade. Executada em duas horas, a operação foi realizada no Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB-Unesp).

O procedimento cirúrgico de alta complexidade teve a coordenação dos cirurgiões Aristides Palhares (cirurgia plástica) e Pedro Hamamoto (neurocirurgia), ambos professores da instituição. Custeada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a cranioplastia foi realizada no HC de Botucatu, hospital universitário vinculado à Secretaria de Estado da Saúde, que oferece atendimento gratuito à população.

Tridimensional

A cirurgia consistiu em implantar uma peça de acrílico tridimensional no crânio do paciente. Desenvolvido sob medida, o biomaterial teve como origem imagens contidas em duas tomografias remetidas pelo professor Palhares para o Centro Avançado de Desenvolvimento de Produtos (Cadep). Especializada em impressão tridimensional (3D) e prototipagem rápida, a unidade especial da Unesp é vinculada à Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação de Bauru (Faac-Unesp).

Responsável pelo Cadep, o professor Osmar Rodrigues, do Departamento de Design da Faac, explica que a peça de acrílico é segura, resistente e compatível com os tecidos do organismo, sem risco de rejeição. Sua confecção exigiu oito dias de trabalho e foi projetada com uma folga proposital de dois milímetros – espaço considerado suficiente para a instalação do implante e possibilitar o crescimento da caixa craniana da criança.

Monitoramento

Responsável geral pelo projeto, o pesquisador Palhares explica que o garoto já recebeu alta hospitalar. Observa, contudo, que ele seguirá sob acompanhamento médico permanente até a adolescência, quando terá seu quadro clínico reavaliado por completo.

Especialista em cirurgia plástica, Palhares informa que a cranioplastia não é técnica médica inédita no País. Destaca, entretanto, o pioneirismo e o protagonismo da Unesp ao solucionar, internamente, uma demanda específica de alta complexidade. Sobre o paciente, explica o motivo do trauma: a queda de uma laje de três metros de altura, cujo impacto da batida provocou grave traumatismo e levou à perda de tecido ósseo, abrindo fenda de 10 cm por 13 cm de área na cabeça do menino.

Fila do implante

Há quatro anos aguardando a cirurgia, a criança encabeçava lista com mais de 50 pacientes com diferentes traumas à espera de um implante ósseo sob medida. A cirurgia possibilitou reconstituir o tecido ósseo perdido, recuperar a forma e aspecto originais do crânio e assegurar proteção mecânica e física ao cérebro e demais órgãos interligados.

“Esse caso abre nova ‘janela’ científica para a pesquisa nacional”, comenta o pesquisador da FMB-Unesp. “Exigiu abordagem multidisciplinar e inovadora, integrando áreas distintas da universidade, como neurologia, cirurgia plástica e o design tridimensional da peça. Demonstrou, na prática, a importância do investimento em recursos humanos, científico e tecnológico no Estado de São Paulo e no País”, destaca Palhares.


Inovação em design

Os profissionais do Centro Avançado de Desenvolvimento de Produtos (Cadep) mantêm diversos projetos nas mais variadas áreas do design. O centro foi inaugurado em 2012 e sua sede e maquinários especializados funcionam em instalações próprias da Faac, em Bauru, cujos laboratórios atendem a pesquisas conjuntas de graduação e pós-graduação da Unesp e de outras instituições científicas.

O Cadep atende também a empresas, preservando os segredos industriais. Os setores já contemplados são o automotivo, metalúrgico, moveleiro, eletroeletrônico, brinquedos, miniaturas e plásticos, entre outros. O professor Osmar Rodrigues, coordenador do Cadep, conta que a primeira incursão do centro na área da biologia foi em 2013.

Na época, o desafio proposto à sua equipe de cinco pesquisadores bolsistas foi projetar e construir, em resina biocompatível, a parte superior do bico de um tucano (foto). Bem-sucedida, a peça implantada repôs o pedaço original do bico da ave, que fora dilacerado por uma mordida de cachorro e prejudicava na alimentação e deglutição.

Novas frentes

A experiência na área veterinária abriu espaço para o desenvolvimento da peça para a cranioplastia realizada em Botucatu. Na avaliação de Rodrigues, a operação é promissora. Especialista em design, ele visualiza, agora, como desdobramento natural do trabalho, atender os demais pacientes que seguem na fila de espera de implantes do HC-FMB.

“Há também diversas possibilidades, como fornecer materiais odontológicos, pinos e implantes. Hoje, a modelagem 3D é mais precisa e mais barata do que a manual”, observa. “As tecnologias de prototipagem, modelagem e impressão tridimensional (3D) seguem disponíveis em diversos centros de pesquisa pelo mundo. Mas o grande diferencial do Cadep é mesclar a experiência adquirida na manipulação de diversos materiais e equipamentos com as técnicas mais recentes”, revela.

Serviço

Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB)
Hospital das Clínicas de Botucatu (HC-FMB)
Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac)
Centro Avançado de Desenvolvimento de Produtos (Cadep-Faac)

Rogério Mascia Silveira
Imprensa Oficial – Conteúdo Editorial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 05/09/2015. (PDF)

Hospital Dia da Unesp Botucatu bate recorde de atendimentos

O Hospital Dia (HD) da Unesp Botucatu bateu o recorde de atendimentos no mês de abril, com 997 consultas, volume 82% superior à média registrada nos primeiros seis meses de funcionamento. Integrante do complexo do HC da Faculdade de Medicina da universidade, o HD é especializado no diagnóstico e tratamento de portadores do vírus HIV/Aids e oferece assistência integral para pacientes.

A unidade, inaugurada em setembro do ano passado, dispõe de equipe multidisciplinar específica e realiza exames complexos. Seu atendimento é direcionado às regiões centro-oeste e sudeste do Estado. Funciona em dois prédios, de arquitetura moderna, em área construída de 1,2 mil metros quadrados, ao lado do câmpus.

O projeto arquitetônico inédito garante segurança, conforto e privacidade para doentes e familiares. O centro de atendimento também é uma unidade de ensino e treinamento para alunos de graduação e pós-graduação de medicina e enfermagem, e para residentes do Programa de Doenças Infecciosas e Parasitárias.

O Hospital Dia é resultado de parceria entre Unesp, Fundação para o Desenvolvimento Médico Hospitalar (FAMESP), governo do Estado e Fundação Bons Ares, ONG mantida pela comunidade de Botucatu. De acordo com o diretor-técnico da unidade, professor Domingos Alves Meira, no início do tratamento da Aids, na década de 1980, a maioria dos doentes ocupava leitos hospitalares e morria nos hospitais.

Atenção múltipla

Depois, com o avanço no tratamento, passaram a ter maior sobrevida sem necessidade de ficar internados por longos períodos. Meira explica que a proposta é oferecer atenção múltipla ao paciente, com baixo custo e de forma digna. Antes, o soropositivo não podia ficar na sala de espera de hospitais, porque era discriminado pelos doentes de outras especialidades. “A unidade de saúde funciona como clínica de múltiplas necessidades e dispensa equipamentos e recursos humanos de um hospital tradicional”, explica.

No HD, o paciente fica algumas horas e pode retornar quando necessário. Além de médico e enfermeiro, o serviço inclui dentista, terapeuta ocupacional, psicólogo, assistente social e fisioterapeuta, todos com consultórios específicos. A coleta de sangue é feita em área reservada. Dessa forma, o paciente não precisa ser identificado. Há também vestiários, sala de espera, arquivo, auditório para treinamento e projetos sociais e educativos, copa, banheiros e auditório.

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 07/06/2005. (PDF)

Há vagas para médicos e enfermeiros em Bauru

O Hospital Estadual de Bauru (HEB) inicia processo seletivo para contratar médicos e enfermeiros de oito especialidades. As inscrições estarão abertas a partir do dia 28 até 2 de abril. Interessados devem dirigir-se à sede do HEB, em Bauru, ou à Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), no campus da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu.

As vagas para enfermeiro são nas áreas de unidade de terapia intensiva para adultos; emergência e pronto-socorro; unidade coronariana e terapia intensiva infantil. Os médicos podem concorrer aos cargos de dermatologista; cirurgião torácico; patologista clínico e nefrologista pediátrico. Os editais estão disponíveis no site da Famesp.

Hospital modelo

O HEB foi inaugurado no segundo semestre de 2002, pelo governador Geraldo Alckmin. Os serviços ambulatoriais começaram em 11 de novembro e os procedimentos cirúrgicos em 13 de março.

Ele é administrado e gerenciado pela Faculdade de Medicina da Unesp/Botucatu por meio de um contrato de gestão celebrado com a Secretaria de Estado da Saúde. O complexo médico dispõe de 388 leitos, 290 vagas para internações, 35 para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e o restante está distribuído entre berçário e leitos de apoio. As consultas são marcadas por meio de contatos telefônicos entre o hospital e centros de saúde da região.

As áreas atendidas são cardiologia, dermatologia, endocrinologia, pneumologia, anestesia, cardiologia pediátrica, cirurgia geral, vascular e plástica, gastroenterologia, infectologia e ortopedia.

Recursos tecnológicos

Os equipamentos hospitalares são novos, de última geração, e incluem as seguintes especialidades: angiografia digital, mamografia, radiologia, ultrassom colorido para cardiologia, ultrassonografia e urologia. Os laboratórios apresentam instalações modernas para exames de eletrocardiograma, eletroencefalogia e tomografia, em 12 salas de cirurgia.

O terreno do hospital abrange 39,7 mil metros quadrados. Desse total, 23,5 mil metros quadrados correspondem à área construída, dividida em quatro grandes blocos interligados. O primeiro abriga serviços administrativos, centros cirúrgicos e unidades especiais de internação. Os demais são ocupados com ambulatório, apoio diagnóstico e emergência. A Unesp é responsável pela compra do material de consumo, medicamentos, equipamentos médico-hospitalares e contratação de pessoal.

O Hospital Estadual de Bauru é estruturado de forma regional e hierárquica, em níveis de crescente complexidade. Os trabalhos são realizados a partir de planos de atividades periodicamente atualizados. O Sistema Unificado de Saúde (SUS) faz avaliação de desempenho e qualidade dos serviços oferecidos à população.

A atividade assistencial da Unesp é dividida em quatro modalidades de atendimento: hospitalar, ambulatorial, emergencial e apoio diagnóstico e terapêutico.

Serviço

Hospital Estadual de Bauru
Av. Luiz Edmundo Carrijo Coube 1-100 – Bauru
Telefone: (14) 3103-7777

Famesp
Correio eletrônico – aci@fmb.unesp.br
Telefone: (14) 6922-6694

Secretaria de Estado da Saúde
Correio eletrônico – cis@saude.sp.gov.br
Telefone: (11) 3085-8090

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 22/03/2003. (PDF)