Museu de Zoologia viaja 200 milhões de anos para explicar evolução do voo

A exposição A Evolução do Voo apresenta o processo de evolução dos animais voadores, desde os insetos até os grandes pterossauros

O acervo permanente do Museu de Zoologia da USP inaugurou a exposição A Evolução do Voo. Dividida em cinco estágios, apresenta o processo de evolução dos animais voadores. O público vai conferir réplicas fiéis de dinossauros que antecederam as aves, como o esqueleto de um velociraptor com quatro metros de altura.

A exposição explica as origens do voo e como esta possibilidade surgiu, de forma independente, quatro vezes na história da evolução biológica. Os insetos foram os primeiros, há cerca de 200 milhões de anos. Depois, no período cretáceo – entre 70 e 120 milhões de anos atrás – vieram os dinossauros, seguidos pelas aves e, bem mais recentemente, pelos mamíferos (morcegos).

Os répteis em exposição viveram na América do Sul. No hall de entrada, o visitante observa um esqueleto de carnotauro, em tamanho natural (4 metros de altura por 7 metros de comprimento). A réplica, construída a partir de fóssil original, foi adquirida do Museu de História Natural Bernardino Rivadavia, de Buenos Aires, Argentina. Ao lado do velociraptor e do arqueopterix, o carnotauro integra a linhagem de dinossauros que deu origem às aves.

Exagero cinematográfico

No cenário seguinte foi reconstituído o habitat do titanossauro, espécie herbívora de pescoço muito longo e que podia chegar a 20 metros de altura. No teto do Museu, dois esqueletos de pterossauros parecem alçar vôo. Depois dos insetos, esta foi a primeira espécie capaz de levantar voo. As reproduções foram construídas a partir de fósseis encontrados na Bacia do Araripe (nos Estados do Ceará, Pernambuco e Piauí), maior área do mundo em concentração de fósseis de pterossauros.

O temível velociraptor, retratado no filme Jurassic Park – Parque dos Dinossauros, apresenta-se numa versão real e científica, com a metade do tamanho em que aparece na tela. Tem quase todo o corpo coberto de penas, tal qual o mais recente fóssil localizado. “O cineasta Steven Spielberg dobrou o tamanho do animal por questões dramáticas”, explica Carlos Roberto Brandão, diretor do museu.

A exposição é finalizada com a reconstituição do arqueopterix, primeiro dinossauro a ter penas, asas e características comuns dos répteis e aves. Dos répteis, herdou a longa cauda, dentes, membros anteriores com dedos terminados em garras e vértebras não-fundidas. Das aves, penas no corpo todo e a fúrcula (osso em forma de ferradura).

Primatas e megafauna

Além dos dinossauros, o Museu apresenta exemplares de espécies extintas que serão acrescentadas ao acervo permanente, como o tigre-dente-de-sabre e a preguiça- gigante. Ambas são integrantes da megafauna, grupo constituído pelos grandes mamíferos que começaram a aparecer há mais de um milhão de anos e foram extintos há mais ou menos 10 mil anos, no final da última glaciação.

O acervo permanente tem vitrine de esqueletos originais de primatas (chimpanzé, gorila, orangotango e humano), adquiridos em comodato do Museu de Arqueologia e Etimologia (MAE) da USP.

Referência mundial

O museu é referência mundial em zoologia e detentor do mais completo acervo da fauna neotropical do planeta – com cerca de 8 milhões de exemplares de animais. O edifício que abriga as instalações – inaugurado em 1941 – foi o primeiro projetado para receber um espaço do gênero na cidade de São Paulo. O projeto é do arquiteto Christiano Stockler das Neves, responsável também pela Estação Júlio Prestes, na qual foi instalada a Sala São Paulo.


Seres humanos e outros animais

Até o dia 28 de agosto, o público pode conferir mostra paralela de crânios de mamíferos que têm cornos e chifres. A curadoria é do mastozoólogo (estudioso de mamíferos) Mario de Vivo.

A coleção apresenta múltiplas visões, científicas ou mitológicas, sobre a relação entre seres humanos e outros animais. São 20 exemplares de crânios de espécies e procedências distintas. O visitante poderá compreender a diferença entre cornos e chifres, o papel dessas estruturas em combates e os canais de comunicação entre os animais da mesma espécie.

“Um predador enxerga nos chifres e cornos o potencial de ameaça que uma possível presa pode representar, enquanto animais de uma mesma espécie percebem sinais de maturidade e saúde nos chifres e cornos de acordo com o desenvolvimento e aparência da estrutura”, explica Mario de Vivo.

Nas espécies herbívoras que têm cornos e chifres, ao contrário do imaginário popular, os animais são considerados pacíficos apenas pelo fato de não atacarem outros grupos em busca de alimento. A presença de cornos ou chifres pode representar sinal de grande força em situações de luta por fêmeas ou territórios.

Serviço

O Museu de Zoologia funciona de terça-feira a domingo, das 10 às 17 horas, na Avenida Nazaré, 481 – Ipiranga – São Paulo – SP. O ingresso custa R$ 2. Para escolas públicas – mediante agendamento pelo tel. (11) 6165-8100 – é grátis. Menores de seis anos e acima de 60 não pagam. Estudantes têm direito à meia-entrada apresentando a carteirinha. Mais informações pelo site.

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página I do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 03/06/2005. (PDF)

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.