Africanos vêm ao Brasil para conhecer programas educacionais de São Paulo

O Comitê Parlamentar de Educação da África do Sul visitou a Secretaria da Educação do Estado (SEE) pela terceira vez para conhecer os serviços da área prestados à população. A delegação estrangeira, formada por comissão multipartidária de 12 parlamentares, primeiramente desembarcou em Brasília e tomou conhecimento de iniciativas federais, realizadas pelo Ministério da Educação (MEC), como o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep) e as secretarias de Educação a Distância, Educação Básica e de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

Na capital, o chefe da delegação, B. J. Tolo, ficou impressionado ao saber que todos os professores do quadro efetivo da secretaria têm licenciatura plena e formação acadêmica. Comentou que, na África do Sul, muitos trabalhadores têm baixa escolaridade e que 42% dos adultos são analfabetos. “Aumentar o nível educacional é fundamental para melhorar as condições socioeconômicas do povo. A intenção é propor e encontrar soluções, como São Paulo fez, para garantir o acesso dos menos favorecidos ao aprendizado.”, destacou.

Huguette Faria, da Coordenadoria de Ensino e Normas Pedagógicas (Cenp) da SEE, ressaltou que o Estado investe periodicamente na formação dos professores e na capacitação de docentes e assistentes técnicopedagógicos das diretorias de ensino. E apresentou diversos programas da rede estadual: o Bolsa Mestrado, Escola da Família e Educação de Jovens e Adultos.

Os sul-africanos visitaram os estúdios do Programa Rede do Saber que, coincidentemente, transmitia videoconferência sobre o tema Ensinando por meio das diferenças: educando para a igualdade, com membros da comunidade negra brasileira. A delegação participou se apresentando e elogiando a iniciativa de promover, entre os docentes, debate sobre a igualdade das etnias.

Conheça o Projeto bolsa mestrado

O Projeto bolsa mestrado integra o Programa de Formação continuada de educadores e oferece chance para os profissionais da educação da rede pública complementar sua formação acadêmica com cursos de pós-graduação (mestrado) stricto sensu. A iniciativa atendeu 808 professores e a perspectiva para o primeiro semestre é de que 890 novos profissionais passem a participar.

Para cursar o mestrado, o interessado pode escolher entre afastamento de 16 horas semanais sem desconto no pagamento ou auxílio financeiro de R$ 720 mensais. Para conseguir o benefício é preciso firmar compromisso de permanecer no magistério estadual, após a conclusão do curso, por no mínimo dois anos.

Além das bolsas concedidas para que os docentes estudem o mestrado em cursos reconhecidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), na área inerente à disciplina do cargo exercido ou na área da educação, o programa levou, no ano passado, 30 professores para Salamanca, na Espanha, para um curso de um mês.

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 15/03/2005. (PDF)

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.