Instituto de Psiquiatria do HC amplia suas instalações e muda o atendimento

Reforma do centro substitui grandes enfermarias por unidades de internação e ambulatórios ambientados para solução de problemas

O governo estadual inaugurou, ontem, parte do conjunto de obras que compõem o projeto de reforma e modernização da área física do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas. A iniciativa transformou o centro em referência nacional no atendimento psiquiátrico, ensino e pesquisa em saúde mental.

A solenidade de inauguração contou com a presença do governador Geraldo Alckmin e do secretário estadual da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata. Eles anunciaram mudanças como o aumento da capacidade de atendimento ambulatorial, de 40 mil consultas para 120 mil por ano. E divulgaram também o crescimento no total de leitos disponíveis – que passam a ser 210 –, com vagas distribuídas em 12 pequenas enfermarias de, no máximo, 20 leitos cada.

A ampliação do IPq é projeto do Núcleo de Pesquisa em Tecnologia de Arquitetura e Urbanismo da USP (Nutau). O trabalho foi iniciado em 1996 e recebeu investimento de R$ 20 milhões do governo paulista. É baseado em modelos de instituições psiquiátricas da Europa e dos EUA e permite atendimento integrado de transtornos afins.

A proposta do IPq é substituir grandes enfermarias coletivas por unidades de internação e ambulatórios especialmente ambientados – com arquitetura de interiores e paisagismo – para o manejo de problemas relacionados. O conjunto de medidas evita a convivência forçada de pacientes com transtornos incompatíveis, fator que dificulta o atendimento. E procura também reduzir o sofrimento e o estigma associado às antigas instituições psiquiátricas.

Mudanças

A mudança no IPq prevê também uma nova abordagem de atendimento ao paciente psiquiátrico. Não há chaves nos quartos e o internado pode conviver livremente com médicos e professores, além de receber a visita de familiares nas áreas comuns do prédio.

Enfermarias especializadas evitam, por exemplo, que pacientes com quadro de depressão estejam em convívio com psicóticos. E que crianças ocupem o mesmo espaço dos adultos. Além disso, cada andar tem características específicas para cada tipo de paciente. A ala de geriatria tem corrimãos em todos os espaços, banheiros adaptados e piso antiderrapante. Outro exemplo: portadores de transtornos alimentares contarão com cozinha experimental, onde terão contato com alimentos e serão estimulados no preparo dos mesmos.

Já funcionando

No IPq já estão funcionando as áreas de geriatria (transtornos psiquiátricos do idoso); comportamento impulsivo (transtornos relacionados a álcool, drogas, jogo patológico); comportamento alimentar (anorexia, bulimia); ansiedade e depressão; unidade infanto-juvenil; centro de tratamento intensivo especial (para paciente psiquiátrico com quadro infecto-contagioso); laboratório de patologia clínica; áreas técnico-administrativas e biblioteca completa em psiquiatria.

Serão inaugurados também em breve serviços de apoio como farmácia, nutrição e dieta. E o instituto passará a atender casos de transtorno obsessivo-compulsivo, síndrome do pânico, esquizofrenia, suicídio, disfunções sexuais, transtornos psicóticos e de personalidade, transtornos da infância e adolescência, distúrbios do sono e epilepsia.

Estudo realizado pelo IPq revela que na capital, como em outras cidades do mundo, um em cada três adultos teve, ou terá, algum dia, um transtorno psiquiátrico. Mostrou também que cerca de sete milhões de jovens brasileiros possuem pelo menos um transtorno psiquiátrico e necessitam de atendimento. Segundo Valentim Gentil Filho, diretor do IPq, é urgente a implementação de programas de prevenção.

Rogério Mascia Silveira
Da Agência Imprensa Oficial

Reportagem publicada originalmente na página IV do Poder Executivo I e II do Diário Oficial do Estado de SP do dia 17/09/2004. (PDF)

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.